1° dia – Plano A,B,C…Z em ação

Apesar de tudo planejado com certa antecedência e algumas reuniões de alinhamentos prévio, a realidade nos surpreendeu em Zahlé. Isso nos fez sair do plano A para o B e improvisarmos planos até Z.

QUI_2453QUI_2458

Foi o dia de “tirar nosso verniz”, como diziam no exército, foi o choque com a realidade. Tínhamos que fazer triagem de pacientes que só falavam árabe, na sua maioria tímidos e com uma família numerosa. O problema era que cada membro da família necessitava de um cuidado especifico: dor de dente, pediatria, ortopedia, cardiologia, etc…foi então que percebemos a necessidade de mudança na forma como estávamos encaminhando  as pessoas aos respectivos atendimentos.

thumb_QUI_2448_1024QUI_2426QUI_2436

Os médicos receitavam medicamentos em inglês mas sem, de fato, conhecer as opções disponíveis aqui no Líbano, além disso, dentistas necessitavam de inúmeros materiais para os procedimentos iniciais. Resultado, nossa conta na farmácia foi altíssima logo no 1° dia de missão. Eu, como financeiro da viagem, entrei em pânico e implantamos rapidamente um plano de eficiência total para os demais dias. Com isso, padronizamos as medicações e as categorizamos por grupos de doenças, conseguimos usar as sobras dos americanos e compartilhar as caixas de remédios com mais de um paciente, ou seja, somente o necessário para o tratamento.

QUI_2477QUI_2438

Foi no primeiro dia também que percebemos que “ser um refugiado”, independe de classe social, religião ou cultura. Atendemos muitas pessoas pobres e outras com alto grau de escolaridade, tais como engenheiros, administradores e até um médico refugiado, impedido de voltar ao seu país, apareceu para nos ajudar.

QUI_2551thumb_QUI_2778_1024

Com tudo isso, estávamos esgotados no final do dia, mas felizes com o que Deus havia preparado. Atendemos cerca de 120 pessoas, entre homens, mulheres e crianças.

QUI_2478QUI_2527

O Embarque

Em meio a tanta ansiedade, dúvidas e incertezas lá estávamos nós, despidos de qualquer capacidade e grandes conhecimentos. A única certeza que temos é que Deus está conosco nesta missão.

Enquanto a maioria brincava para disfarçar a tensão, outros se concentravam e refletiam sobre tudo o que deixaríamos para trás…filhos, casa, marido, esposa, namorado, compromissos profissionais, conforto, dentre tudo que tivemos que abrir mão para, com muito amor, dedicarmos nosso tempo ao outro. Quem é este outro e como seremos recebidos? Não sabemos, apenas conhecemos de ouvir falar e lermos a respeito.

Escrevo este trecho de dentro do avião enquanto a Hellen e os demais dormem como crianças. Sabe como é…viagem com médico, todos medicados com Dramin hehehe. Faremos agora 14 horas de voo até Istambul e, de lá, partiremos rumo a Beirute.

Nem todos estão aqui conosco, Fernanda, Lorraine e Joelma partiram antes em voos e horários distintos, mas o importante é que amanhã estaremos todos juntos em Zahlé.

A cidade de Zahlé

Zahlé (em árabe: زحلة) é a 3ª maior cidade do Líbano e fica situada no Vale do Beca. A cidade é considerada uma das principais do vale e possui 120 mil habitantes, em sua maioria cristãos. É famosa pelo seu ar puro, seus hotéis, resorts e comida típica libanesa de alta qualidade. Para mim, que gosto de comidas típicas e diferentes, ficar em Zahlé será uma maravilha, pois a região é referência gastronômica no país.

QUI_251420170525_160910

A cidade fica a 52 Km de Beirute, cerca de 1 hora de carro e mistura bem a cultura cristã com a cultura muçulmana. Muito normal ver uma mesquita próxima a uma igreja cristã.

QUI_2519thumb_QUI_2952_1024

Um pouco mais de Zahlé

A região é maravilhosa e muito fértil conhecida também pelo cultivo de vinhedos e pela produção de excelentes vinhos. Mas isso não impediu que boa parte da sua população do vale partisse para Austrália, Américas e litoral do Líbano devido às guerras e às condições econômicas e políticas instáveis que o país enfrentou no passado.

thumb_QUI_3891_1024bea4a6045a7d34ccabed51c4b9479e1f